quinta-feira, 19 de abril de 2012

Editorial - Abril 2012

      Vivamos o Mês de Abril, com muita alegria, pois tivemos a oportunidade de vivermos a Páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo em nossa vida. Como foi maravilhoso a Semana Santa em nossa Paróquia, vendo a alegria dos fiéis em cada dia de celebração.

    Seria muito triste que tudo isto ficasse confinado dentro de um só movimento eclesial e não contagiasse como consequência, na substância e nas formas, a toda a Igreja, como corrente de graça fecunda. Não é suficiente determinar o significado de fé contido na Páscoa, mas sim a libertação do pecado e o dom do Espírito, são necessários preocupar-se também da intensidade com que se crê. Por isso meu irmão e minha irmã eu convido a cada um a vivermos mais intensamente a sua páscoa com amor e testemunho e não só ficarmos nas abstinências da quaresma, mas na conversão e mudança de vida e vivermos melhor a ressurreição de Jesus Cristo dentro de nossa vida.

    Deus abençoe e proteja e que Maria Santíssima cubra com seu manto suas vidas e sua família!!

Pe. José Ricardo Lucas de Lima
Paróquia Santa Terezinha.

Ordenação Sacerdotal

Prezados irmãos, tenho a alegria de convidá-los para Minha ordenação. É uma alegria verdadeira dada por Deus. Certamente somente aquele que colocou no nosso coração o desejo de felicidade, sabe como nos fazer felizes.

Por meio deste, tenho a honra de convidar V. Ilma. família para participar da solene Concelebração Eucarística, na qual, serei ordenado Presbítero pela imposição das mãos e oração consecratória
do Exmo. Revmo. Dom Cláudio Nori Sturm, Bispo da Diocese de Patos de Minas - MG.

Dia 01 de maio de 2012, às 09:00 horas, na Matriz São José, na cidade de Alto do Rio Doce - MG.
Primeira Missa: 02 de maio de 2012, às 19:00 horas, na Capela de São Domingos.

Diácono José Luís de Araújo Paiva

Caça Palavras

Encontre no quadro, as palavras:

arcebispo, brumado, congresso, criatura, equilíbrio, federal, glorioso, hospital, humana, justo, maior, menor, mensageiro, participe, páscoa, ramos, roma, santidade, setor e vespertina

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Uma Semana Santa, Santa

Já descansaram? Acharam pesado vivenciar a Semana Santa?

Pois, para a maioria, nos sentimos vivendo uma Santa Semana “Santa”, graças a Deus.

Iniciamos com o Domingo de Ramos, e fomos caminhando dia a dia, com as celebrações e procissões, conduzindo as imagens, e no percurso muita oração, muita organização, tudo parecia se encaixar e acontecer no seu tempo certo, do jeito que Deus quis.

Percebemos que quanto mais nos envolvemos, mais nos entregamos, e buscamos vivenciar verdadeiramente a Semana Santa, em nossas vidas e em nossos corações, é diferente de quanto éramos apenas espectadores, sentados no banco da igreja assistindo ao que se passava diante de nós. E hoje com a graça de Deus, nos sentimos fazendo parte da Semana Santa, e depois de uma quaresma de oração, jejum e penitencia podemos oferecer tudo a Jesus, pela nossa conversão e mudança de vida a cada dia.

Na quinta feira Santa, vivenciamos a doação e a humildade de Jesus se colando a serviço e nos pedindo que façamos o mesmo, a todo instante de nossas vidas. Após a celebração ficamos em vigília, sentados ali contemplando Jesus, derramando na sua presença nossa gratidão, por tudo que Ele nós faz e também pedindo as graças que precisamos, depois nos colocamos em silencio para ouvir Jesus que nos fala em nossos corações.

Iniciamos a Sexta feira Santa com a Via Sacra, saímos da Matriz Santa Terezinha, caminhando pelas ruas, seguindo até a Igreja São Francisco. De lá voltamos para a vigília na Igreja Santa Terezinha, as pastorais e movimentos se revezaram para adorar Jesus até as 15:00h.

As 15:00h, tivemos a celebração da Adoração da Cruz. Jesus dá seu ultimo suspiro e morre numa cruz, flagelado, por mim e por você. Todo sofrimento que Jesus passou. E nós? Reclamamos tanto de tudo, não estamos satisfeito com tudo que temos. Precisamos refletir e ser mais agradecidos.

Ao iniciar a noite, os jovens de nossa paróquia encenaram a Paixão de Cristo, no poliesportivo da Matinha, e saímos em procissão seguindo para Igreja Matriz de Santa Terezinha. Sobe uma grande ameaça de chuva, um vento forte que nossas velas não paravam acessas, mas chegamos à igreja e começamos o cortejo, passando pelas imagens, e de repente a chuva caiu como bênçãos vindas do céu para coroar nossa sexta feira santa.

No Sábado Santo, tivemos a celebração do fogo novo, após acendermos o Círio Pascal, entramos na Igreja com as velas acesas, significando a nova luz em nossas vidas, e tivemos uma linda celebração, renovamos nossas promessas batismais, e que a luz que acendemos neste sábado não se apague em nossos corações.

No Domingo de Páscoa, celebramos a ressurreição, Jesus ressurgiu aleluia!!! Que nós também possamos vencer nossos pecados, e ressurgir para uma vida nova em Cristo e com nossos irmãos.
Jesus é o inicio e o fim, deixe que Ele nos envolva, abram seus corações e se entreguem de verdade, não sejam espectadores, venham participar conosco, você caro leitor não irá se arrepender.

Agradecemos ao nosso Pároco Padre José Ricardo e ao Diácono José Luiz, por tudo que tivemos nesta semana, e pela maneira como nos conduziram nesta Santa “Semana Santa”.

Veja a Galeria de Fotos:

Patrocínio - 170 Anos

As origens da região começam com os bandeirantes, exploradores portugueses durante o período colonial, em que passaram por seu caminho para a Capitania de Goiás à procura de ouro e escravos. Em 1771 o Conde de Valadares, Capitão General de Minas Gerais, pediu para Inácio de Oliveira Campos fazer explorações e escavações na região. Em 1773, no vale do Rio Dourados, ele iniciou uma fazenda chamada Bromado dos Pavões. Este pequeno assentamento tornou-se parte da Capitania de Goiás, e o nome foi alterado para o Salitre. Em 1793 apareceram os primeiros habitantes e em 1800 foi construída a primeira capela. No momento da liquidação foi apenas um "Arraial", uma aldeia, e foi chamado Senhora do Patrocínio. Em 1819, tinha cerca de 40 casas feitas de barro e madeira coberta com telhas e sem qualquer argamassa. Em 1839 foi criada a freguesia e foi nomeado o primeiro pároco. Em 1840, Nossa Senhora do Patrocínio foi declarado um município separado de Araxá. Em 1858 parte do município foi desmembrado para criar Estrela do Sul. Em 1868 ocorreu outro desmembramento, criando Patos de Minas.

O nome da cidade é, supostamente, devido a um proprietário muito rico, que, segundo a lenda, vendo a sua única filha gravemente doente, pediu a proteção da Virgem Maria, prometendo a construção de uma capela se a menina fosse curada. Quando isso ocorreu, ele havia construído uma igreja, lhe sendo atribuído o nome de Nossa Senhora do Patrocínio.

Patrocínio tornou-se uma das mais importantes regiões produtoras de café do Brasil. Cerca de 78% da economia está ligado ao café, com a atividade emprega mais de 30.000 pessoas.

A cultura do café teve início na década de 1970, quando fortes geadas dizimou as grandes fazendas do Paraná e São Paulo. A região tem um clima ameno, boa distribuição da água, com um grande número de riachos, e uma precipitação anual considerado ideal para o café - cerca de 1.600 mililitros.

Salve Salve essa terra adorada / Que em beleza não teme rival / Patrocínio é um seio de fada / Salve Salve este berço natal

Patrocínio é uma terra encantada / Só ocultando em teu seio riquezas / Do sertão é uma parte invejada / Por seu clima e por sua beleza

A tardinha admiramos / Nosso céu crepuscular / Acordados até sonhamos / Quando a noite é de luar

Da cidade uma légua distante / Só ergue o Cruzeiro da Serra / Quem avista diz logo num instante / É a maior maravilha da terra

Milagrosa bem curta a distância / Jorra sempre uma água que é pura / Mineral de famosa importância / Que dá certo aos enfermos a cura

A tardinha admiramos / Nosso céu crepuscular / Acordados até sonhamos / Quando a noite é de luar

O Mensageiro Entrevista

Entrevista - Ministério Extraordinário da Comunhão Eucaristica

     Amigos e Amigas em Jesus Cristo, esse mês tive a grande satisfação de entrevistar o Claudinei Egidio, coordenador dos ministros extraordinários da Comunhão Eucarística da comunidade Santa Terezinha. Ele foi bem acolhedor e demonstrou bastante amor ao ministério. Feliz tempo pascal!

Natanael Oliveira Diniz (Comunidade Santa Terezinha)

1) Qual a função dos ministros extraordinários da Comunhão Eucarística?

    A função dos ministros é levar a Eucaristia aos enfermos e as pessoas que não tem condições de participar das celebrações da Santa Missa, cuidar dos objetos sagrados como o sacrário, a âmbula, o altar, o cálice. Preparar a credencia com os objetos sagrados, com antecedência e auxiliar o padre nas celebrações.

2) Como é feita as reuniões? Existe formação? Explique-nos.

    As reuniões são realizadas com um breve momento de adoração ao Santíssimo, após é repassado alguns avisos e escala de atuações do mês seguinte, ou seja, quais datas o ministro irá atuar nas celebrações. Todos os assuntos são relatados em ata que posteriormente é assinada pelo pároco e demais ministros. A cada dois meses temos uma reunião com o pároco e todos os ministros da paróquia, onde são solucionadas as dúvidas.

3) Conte-nos sua experiência pessoal no ministério.

    Difícil encontrar palavras que descrevam a emoção, o momento em que você esta com Jesus levando-o as pessoas, principalmente aos enfermos é um momento único. É muito bom ver a alegria nos olhos das pessoas ao receber Jesus.

4) Quais são seus santos de devoção?

    Santa Terezinha, São Tarcísio, São José, Santa Edwiges, São Pelegrino e Nossa Senhora da Abadia.

5) Como é feita a escolha para ser ministro extraordinário da comunhão eucarística?

    É feito um convite pelo pároco, sendo aceito o convite, o nome do futuro ministro é repassado para o bispo diocesano, com a aprovação da diocese é feito algumas formações com o pároco, e logo após é feita a investidura do ministro.

6) Deixe-nos sua mensagem.

    Quando Cristo é Senhor de nossas vidas e o nosso coração o hospeda com alegria, temos motivos de sobra para manter viva a nossa fé.

    “A Eucaristia cria em nós corações novos, transformados pelo amor, fazendo a nossa convivência neste mundo mais humana, mais digna, mais cristã. A sagrada comunhão fortalece a nossa alma na pratica das virtudes, apaga as manchas de pecados leves, nos anima na caminhada para a eternidade e é penhor da gloria futura.” (João Paulo II).

Cantinho do Coração de Jesus

SAÚDE E PAZ!!!

    Este é o duplo conforto, a dupla plenitude que o Senhor tem reservado para todos nós. Somos criaturas amadas de Deus e então, desde o momento de nossa concepção, Ele nos prepara e nos deseja com saúde completa. Acompanha-nos em todo o tempo, vigiando nosso crescimento, amparando nossas fraquezas, e, essencialmente, zelando de nossa saúde. Nas nossas tribulações, Ele nos fortalece,nos ilumina, restaura nossa vida, cura nossas enfermidades e feridas, reaquece nossos corações desesperançados e resgata para todos nós, a saúde e a paz!

    Ele desejou que fôssemos iguais e irmãos; que tivéssemos o mesmo nível de oportunidades, de tratamento, de acolhida... Percebendo que não seria bem assim, Ele tem nos amado por inteiro, completando em cada um de nós, tudo aquilo que a saúde pública deixa a desejar e ainda tudo aquilo que nossos corações egoístas e frios deixam por fazer, ou até para fazer depois...

    Ao ressuscitar, Jesus reacendeu nossa esperança de criaturas vitoriosas, não órfãs e desamparadas, mas acolhidas e amadas de dia e de noite. A luz da sua ressurreição veio clarear novamente as trevas em que insistimos viver no dia a dia. O sepulcro vazio veio encher e preencher nossos corações secos, áridos e por demais frios. O calor e o ardor provocado por Ele nos seus discípulos vêm também aquecer nossos corações mornos, indiferentes e tão acomodados...

    E do seu lado aberto, cremos que correm rios de misericórdia, todo dia, sempre, para mim, para você, para todos; misericórdia que nos lava, nos cura, nos torna mais dignos, mas principalmente, nos incentiva a praticar, exercitar e a ensinar a todos a cultivar a saúde própria e também a dos irmãos.

    Que sejamos todos construtores da paz... mantenedores da paz... pessoal, na família, no trabalho, na Igreja, na sociedade, no mundo!

    “A PAZ ESTEJA CONVOSCO”! Jo 20, 19-21-26

Maria José da Silva Alfredo

CatequInformando

Pais e catequistas catequizam juntos

    Usando o titulo desse texto, a Igreja procura e quer o envolvimento da família na educação da fé dos catequizandos.

    Em nossa paróquia essa prioridade é bem visível, já é parte do calendário catequético a reunião mensal com a família. Para esse ano de 2012 padre Jose Ricardo adquiriu um material reflexivo muito rico da importância da participação ativa dos pais na catequese.

    Estão sendo realizados nas comunidades encontros com as famílias fazendo um estudo do folder Pais e catequistas catequizam juntos, do Padre Cristovam Lubel. Isso se faz porque a família e a comunidade são espaços privilegiados da catequese.

    Em casa os filhos recebem o primeiro anuncio, e na comunidade é aprofundado o que os catequizandos receberam de seus pais. Pois os pais são os primeiros catequistas dos filhos. Quem gera a vida deve também prove-la de alimento para o corpo, a mente e o espírito. A casa, para os cristãos, deve ser a primeira Igreja e a primeira sala de catequese.

    Se os pais, soubessem o quanto a sua presença na vida religiosa de seus filhos é importante, talvez, encarassem a catequese com outros olhos. É na família que tudo acontece, os catequistas, são apenas intermediadores. Pais e catequistas precisam caminhar juntos e juntos se ajudarem.

    Pais rezem com seus filhos. Acompanhem eles à missa. Participem dos encontros de família, dos retiros e encontros de formação.

    A presença de vocês, neste projeto, é fundamental.

    Sabemos, a vida é corrida, questões profissionais, compromissos diversos, sabemos bem como é isso, pois também temos diversas ocupações. No entanto, temos de fazer-lhes um alerta: sejam pais mais presentes na vida religiosa de seus filhos. Se não for assim, com o seu exemplo, a catequese não terá tido validade alguma.

    Nós, catequistas, somos apenas intermediadores.

    Os melhores catequistas do mundo, sem dúvida alguma, são vocês.

Edinha

Jesus Ressuscitou, Aleluia!!!

    Depois de tanta dor e sofrimento em que acompanhamos o Divino Mestre na Semana Santa, o vimos morrer e ser sepultado naquele sepulcro novo de José de Arimateia...

    Eis que no terceiro dia as mulheres o viram e ele lhes disse: Alegrai-vos...

    Meus irmãos, isto é Páscoa! É tempo novo! É tempo favorável! Nem um sepulcro novo, lacrado com uma enorme pedra consegue segurar quem quer viver em Deus.

     Ele vive! Ele venceu a morte! Ele está no meio de nós! Ele quer estar comigo, com você, com cada um de nós! A hora é agora, é hora de sairmos deste marasmo sepulcral e deixarmos do pecado: o vício, o egoísmo, o mau humor, a preguiça, a mentira... É hora de permitirmos que Jesus ressuscite em nós. Vamos abrir as janelas da nossa vida e deixar o Sol da Ressurreição entrar, deixar o Sopro de Vida Nova circular em nossas veias e fazer o nosso coração vibrar de alegria, a verdadeira alegria de quem sente a presença do Deus vivo, que caminha conosco, em cada momento e em cada situação de nossa vida. Isto é Páscoa!

    Aquelas três mulheres foram correndo levar a notícia para os discípulos... Por que não sairmos correndo, enquanto é tempo, e levarmos esta alegria a nossa família, num grande abraço de Feliz Páscoa?... A nossa esposa, nosso esposo, nossos pais, nossos filhos, nosso colega de trabalho, nosso chefe, nosso empregado, nossos vizinhos, nossos irmãos de fé...

    Tudo isto é Páscoa! É passagem do sepulcro à Vida Eterna, da escravidão à Verdadeira Liberdade, do pecado à Vida plena em Cristo, com Cristo, aqui e agora!!!

    Feliz e Santa Páscoa!

Lourdes Barbosa.

Fórum Sobre a Campanha da Fraternidade 1012

    A Campanha da Fraternidade de 2012 é um marco na igreja do Brasil, e é organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, cujo tema neste ano é Fraternidade e Saúde pública. O lema da campanha é um versículo do livro do Eclesiástico: Que a saúde se difunda sobre a terra! (Eclo 38,8). Como nas campanhas anteriores, a campanha deste ano teve início na quarta-feira de cinzas. O objetivo geral dessa campanha é promover a ampla discussão sobre a realidade da saúde, e das políticas públicas da área, para contribuir na qualificação, no fortalecimento e na consolidação do SUS, em vista da melhoria da qualidade dos serviços, do acesso e da vida da população.

    Assim, aconteceu no dia 28 de março, no plenário da Câmara Municipal de Patrocínio, um Fórum para discutir a Campanha e qual o dever do católico para que a saúde possa ser aprimorada e que tenha-se uma melhoria significativa em nossa cidade.

    Os debatedores do fórum foram: o Bispo Diocesano Dom Cláudio, o prefeito Lucas Siqueira, o Deputado Deiró Marra, Eustáquio Amaral da secretaria de Saúde de Minas Gerais, o secretário de saúde de Patrocínio Dr. Marco Antônio Castro Alves, o vereador José de Arimatéia, o presidente da Câmara Municipal Alberto Sanarelli, e a organizadora do fórum a vereadora Marcilene Jacinto. O Padre Frei Éderson, conduziu todos os questionamentos e toda estrutura do fórum.

    Diante dos posicionamentos expostos, ficou evidente que a saúde é um dever do estado, mas que nós cristãos e cidadãos devemos fazer a nossa parte, afinal somos agentes de transformação e mudança. Fóruns como esse permite criar um diálogo constante, pois necessitamos unir esforços para que a saúde seja um direito de todos, e que possamos lutar para que ela seja de qualidade e eficaz.

    Portanto, parabéns a todos envolvidos no Fórum e que Deus nos ajude a superar os problemas que abrangem tão desafiadora área. E assim proclamarmos: QUE A SAÚDE SE DIFUNDA SOBRE A TERRA.

Natanael Oliveira Diniz

Galeria de Fotos:

Pastoral da Juventude Diocesana

Eleitos novos representantes do Setor Juventude da Diocese de Patos de Minas

    Foi realizada no último dia 25, reunião com representantes das expressões de juventude da Diocese de Patos de Minas, no Seminário Maior “Dom José André Coimbra”. Cerca de 50 jovens compareceram representando as diversas paróquias da Diocese.

    Durante a reunião foi apresentado pelo seminarista Cleber Faria Silva o projeto para recepção da Cruz da Jornada Mundial da Juventude e Ícone de Nossa Senhora na Diocese nos dias 09 e 10 de março de 2013. Também na oportunidade foram discutidos as expectativas e preparativos da Diocese para a Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá no Rio de Janeiro, de 23 a 28 e julho de 2013. Ainda abordou sobre a importância da mobilização dos jovens com a réplica da Cruz que tem percorrido todas as paróquias.

    Dom Cláudio, bispo da Diocese, também esteve presente na reunião, acolhendo os jovens e falando da importância da participação deles como protagonistas na vida da Igreja, em especial nesse momento em preparação para a Jornada Mundial da Juventude. Falou ainda sobre a pré-jornada em que nossa Diocese receberá jovens de diversos países, vindos das paróquias da Congregação dos Sagrados Corações, sobre a participação de todos na recepção da Cruz da Jornada e Ícone de Nossa Senhora e sobre o DNJ - Dia Nacional da Juventude que acontecerá no dia 21 de outubro deste ano, na cidade de Monte Carmelo.

    Monsenhor José Magno do Nascimento também participou da reunião apresentando aos jovens a caminhada pastoral da Diocese, e mostrando a importância do envolvimento da juventude no processo de evangelização, como discípulos missionários.

    Encerrando, foi eleita a nova coordenação diocesana do Setor Juventude com as expressões juvenis. É importante ressaltar que, ainda faltam expressões de juventude atuantes na Diocese que serão, posteriormente, incorporadas ao setor, que tem como objetivo promover a unidade de todas as pastorais e movimentos jovens.

    A coordenação ficou assim composta:

Coordenador: Padre Sinésio Lucindo Mendes

Assessor: Seminarista Cleber Faria Silva - Seminário Maior “Dom José André Coimbra”

Representante no Regional Leste II: Alessandra Aparecida de Oliveira - Paróquia São Damião de Molokai – Patrocínio

    Representantes das expressões:

Pastoral da Juventude: Paulo Vinícius Rocha Pereira - Paróquia Santo Antônio de Pádua - Patos de Minas / Diogo Fabrício dos Santos Camargo - Paróquia São Sebastião - Serra do Salitre

EJC, MAC e EAC: Cintia Modesto de Vasconcelos - Paróquia São Damião de Molokai - Patrocínio / Lucas Rodrigues Silva - Paróquia Sant'Ana - Coromandel / Allison Araújo Rosa - Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio - Patrocínio / Mariana Alves Mota - Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Patos de Minas

RCC: Otávio Vinicius Vieira dos Reis - Paróquia São Sebastião - Serra do Salitre / Wesley Henrique Gomes de Santana - Paróquia São Benedito - Patos de Minas

JAC: Robson Pereira Bueno - Paróquia Imaculada Conceição - São Gonçalo do Abaeté / Letícia Bianca Bento Silva - Paróquia Imaculada Conceição - São Gonçalo do Abaeté

JUFRA: Patrícia Moreira Carneiro - Paróquia Nossa Senhora da Piedade - Lagoa Formosa

JUPAC: João Carlos Martins Silva - Paróquia Santo Antônio – Tiros

MDJ: Porfírio José Ribeiro - Paróquia Nossa Senhora das Graças - Coromandel

Galeria de Fotos:

A Ressurreição de Jesus na Vida do Cristão

    Naquela mesma hora, levantaram-se e voltaram para Jerusalém. Acharam aí reunidos os Onze e seus companheiros, que disseram: “É verdade! o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” E eles narraram os acontecimentos do caminho e como o haviam reconhecido na fração do pão. Falavam ainda, quando ele próprio se apresentou no meio deles e disse: “A paz esteja convosco!”

    Este é um trecho do evangelho de Lucas (Lc 24,33-36) que narra a ressurreição de Jesus. Os versículos 33-35 do cap. 24 deste evangelho narra o finalzinho do fato ocorrido com os discípulos de Emaús. O versículo 36 narra o encontro destes com os apóstolos em Jerusalém. O evangelista Lucas é o único dos quatro evangelistas que narra a experiência dos discípulos de Emaús.

     Os discípulos de Emaús, uma cidade próxima a Jerusalém, iam embora para Emaús após o sepultamento de Jesus. Os discípulos de Emaús ardiam o coração pelo caminho, mas só reconheceram Jesus na fração do pão. Esta fração significa a Eucaristia, momento privilegiado na vida dos cristãos, em que Cristo se torna realmente presente. Lucas, ao narrar este fato, mostra aos cristãos que Jesus ressuscitado está próximo deles, principalmente na Eucaristia. Mas, para reconhecer o Cristo presente na Eucaristia, como os discípulos de Eamús o reconheceram na fração do pão, é preciso escutar sua palavra assim como eles ouviram Jesus.

    A ressurreição é um artigo de nossa fé. No creio rezamos: ...creio na ressurreição da carne e na vida eterna. Ademais, é uma experiência para ser vivida já aqui na terra. A experiência da ressurreição na vida cotidiana é importante para manter viva a esperança e enfrentar os sofrimentos, inclusive a morte. A vida e a morte são as duas experiências mais misteriosas que o ser humano tem. Ninguém, nem mesmo o mais espetacular estudo científico, pode explicar como surge uma nova vida. Da mesma forma, a morte não é desejo de ninguém, mas ninguém sabe explicar se é melhor a vida após a morte ou não. A experiência dos batizados e filhos de Deus em relação à vida e à morte tem uma diferença em relação às outras: não é mais um enigma, mas uma realidade. Mas que realidade é esta? Como a vivem?

      A vida e a morte são concebidas pelos cristãos à luz da ressurreição. Quando nascemos recebemos o dom da vida, mas a vida que temos é manchada pelo pecado. Com o batismo recebemos a nova vida, a vida em Deus, a vida eterna. Quem morre na amizade de Deus tem esta vida eterna: “[...] se morremos com Cristo, temos fé que também viveremos com ele, sabendo que Cristo, uma vez ressuscitado dentre os mortos, já não morre, a morte não tem mais domínio sobre ele”. A vida, dom de Deus, será plena após a morte: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6,54). Assim, a vida terrena não tem tanta importância para aquele que Crê em Jesus, e a morte física é vista por ele como a possibilidade de passagem para uma vida plena e eterna.

    Esta é a nossa fé. Por isso, vamos ao túmulo de Jesus! Mas somente para constatar que ele não está lá, como fez o apóstolo João que ao chegar ao túmulo “viu e creu” (Jo 20,8). A paixão, a morte e a ressurreição de Jesus é a nossa páscoa. Se ficamos só em uma destas partes, não vivemos a páscoa plenamente. Assim como Cristo, para vivermos a páscoa em nossas vidas, certamente precisamos passar por muitos sofrimentos. Mas também não convém ficar só pensando nos sofrimentos, porque o tempo de se alegrar é hoje. A páscoa de Jesus acontece todos os dias em nossas vidas quando reconhecemos que Deus é a fonte da vida e da graça. Vamos até ele e bebamos nesta fonte para conservar a vida que já temos pelo Batismo, mas que temos de alimentá-la para que a tenhamos plenamente e eternamente junto de Deus no Céu.

José Antônio Ramos, seminarista do Seminário Maior
“Dom José André Coimbra” da diocese de Patos de Minas

Os Símbolos Pascais

    O nome páscoa surgiu a partir da palavra hebraica "Pessach" ("passagem"), que para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu (marcado pela travessia do Mar Vermelho, que se tinha aberto para "abrir passagem" aos filhos de Israel que Moisés ia conduzir para a Terra Prometida). Ainda hoje a família judaica se reúne para o "Seder", um jantar especial que é feito em família e dura oito dias. Além do jantar há leituras nas sinagogas.

    A Páscoa cristã celebra a Ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu por três dias, até sua ressurreição. É o dia santo mais importante da religião cristã.

    Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: a Ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus. É considerada a festa das festas, a solenidade das solenidades, e não se celebra dignamente senão na alegria.

OS SÍMBOLOS DA PÁSCOA

    Apesar de sempre ser lembrada pelos ovos de chocolate, a Páscoa é uma festa cristã que comemora a ressurreição do Cristo morto e tem vários outros símbolos.

    CORDEIRO; O cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa, é o símbolo da aliança feita entre deus e o povo judeu na páscoa da antiga lei. No Antigo Testamento, a Páscoa era celebrada com os pães ázimos (sem fermento) e com o sacrifício de um cordeiro como recordação do grande feito de Deus em prol de seu povo: a libertação da escravidão do Egito. Assim o povo de Israel celebrava a libertação e a aliança de Deus com seu povo.

    Moisés, escolhido por Deus para libertar o povo judeu da escravidão dos faraós, comemorou a passagem para a liberdade, imolando um cordeiro.

    Para os cristãos, o cordeiro é o próprio Jesus, Cordeiro de Deus, que foi sacrificado na cruz pelos nossos pecados, e cujo sangue nos redimiu: "morrendo, destruiu nossa morte, e ressuscitando, restituiu-nos a vida". É a nova Aliança de Deus realizada por Seu Filho, agora não só com um povo, mas com todos os povos.

    COELHO DA PÁSCOA; Por sua grande fecundidade, o coelho tornou-se o símbolo mais popular da Páscoa. É que ele simboliza a Igreja que, pelo poder de cristo, é fecunda em sua missão de propagar a palavra de Deus a todos os povos.

    CÍRIO PASCAL; Significa que "Cristo é a luz dos povos". É uma vela que se acende na igreja na Vigília do sábado santo, último dia do Tríduo Pascoal. Nesta vela, estão gravadas as letras do alfabeto grego"alfa" e "ômega", que quer dizer: Deus é princípio e fim. Os algarismos do ano também são gravados no Círio Pascal.

    O Círio Pascal simboliza o Cristo que ressurgiu das trevas para iluminar o nosso caminho.

    OVOS DE PÁSCOA; Nas culturas pagãs, o ovo trazia a ideia de começo de vida. Os povos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes boa sorte. Os chineses já costumavam distribuir ovos coloridos entre amigos na primavera, como referência à renovação da vida.

    Os cristãos primitivos do oriente foram os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando a ressurreição, o nascimento para uma nova vida. Nos países da Europa costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos e doá-los aos amigos. Em outros, como na Alemanha, o costume era presentear as crianças. Na Armênia decoravam ovos ocos com figuras de Jesus, Nossa Senhora e outras figuras religiosas.

    Pintar ovos com cores da primavera, para celebrar a páscoa, foi adotado pelos cristãos, nos século XVIII. A igreja doava aos fiéis os ovos bentos.

    A substituição dos ovos cozidos e pintados por ovos de chocolate, pode ser justificada pela proibição do consumo de carne animal, por alguns cristãos, no período da quaresma. A versão mais aceita é a de que o surgimento da indústria do chocolate, em 1830, na Inglaterra, fez o consumo de ovos de chocolate aumentar.

    A CRUZ; Antes símbolo de condenação, depois a Cruz tornou-se símbolo de salvação. A cruz, instrumento de suplício no qual Jesus morreu, passou a ser um símbolo do cristianismo e também símbolo da Páscoa.

    A cruz, na Páscoa, relembra que Jesus venceu a morte e, glorioso, passou a viver seu Reino de justiça e de paz.

    O PÃO E O VINHO; Jesus já sabia que seria perseguido, preso e pregado numa cruz. Então, combinou com dois de seus amigos, para prepararem a festa da páscoa num lugar seguro. Quando tudo estava pronto, Jesus e os outros discípulos chegaram para juntos celebrarem a ceia da páscoa. Esta foi a Última Ceia de Jesus.

    A instituição da Eucaristia foi feita por Jesus nesta última ceia, quando ofereceu o pão e o vinho aos seus discípulos dizendo: "Tomai e comei, este é o meu corpo... Este é o meu sangue...". O Senhor "instituiu o sacrifício eucarístico do seu Corpo e do seu Sangue para perpetuar assim o Sacrifício da Cruz ao longo dos séculos, até que volte, confiando deste modo à sua amada Esposa, a Igreja, o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal, em que se come Cristo, em que a alma se cumula de graça e nos é dado um penhor da glória futura".

    O pão e o vinho, sobretudo na antiguidade, foram a comida e bebida mais comum para muitos povos. Cristo ao instituir a Eucaristia se serviu dos alimentos mais comuns para simbolizar sua presença constante entre e nas pessoas de boa vontade. Assim, o pão e o vinho simbolizam essa aliança eterna do Criador com a sua criatura e sua presença no meio de nós.

    O GIRASSOL; O girassol, uma grande flor de cor amarela de muitas pétalas, tem esse nome porque está sempre voltado para o sol.

    O girassol, como símbolo da páscoa, representa a busca da luz que é Cristo Jesus e, assim como ele segue o astro rei, os cristãos buscam em Cristo o caminho, a verdade e a vida.

    O SINO; Muitas igrejas possuem sinos que ficam suspensos em torres e tocam para anunciar as celebrações.

    O sino é um símbolo da páscoa. No domingo de páscoa, tocando festivo, os sinos anunciam com alegria a celebração da ressurreição de cristo.

    ÓLEOS SANTOS; Na antiguidade os lutadores e guerreiros se untavam com óleos, pois acreditavam que essas substâncias lhes davam forças. Para nós cristãos, os óleos simbolizam o Espírito Santo, aquele que nos dá força e energia para vivermos o evangelho de Jesus Cristo.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

O Mensageiro - Abril de 2012

O Mensageiro - Abril de 2012

Órgão Informativo da Paróquia Santa Terezinha

Patrocínio MG - Diocese de Patos de Minas

Clique nas Imagens e veja:

   

   

(Obs: para visualização das imagens em tamanho maior, clique com botão direito do mouse, e em abrir nova janela ou nova aba, quando a imagem abrir clique onde você quer ampliar).

Muito obrigado pela visita!!!

Clique nas paginas para ver outras matérias.

Seguidores

Total de visualizações de página

Colaboradores


Foto: